Arquivo

Archive for the ‘Qual a Graça?’ Category

Tá bom, mas e Agora José?

21 de fevereiro de 2008 5 comentários

Ninguém ai quer me pagar pra escrever aqui? Aceito até coxinha, mas só se for com catupiry. Pensar de graça cansa.

Não sou velho o suficiente pra ficar falando do passado e nem tão novo pra ficar sonhando com o futuro.

E nem tenho talento o suficiente pra ficar escrevendo frases de efeito, ou frases que tenham qualquer efeito.

E nem sei SE tenho talento, minha mãe não lê meus textos pra poder mentir e dizer que são bons. Um incentivo falso às vezes basta, tem tanta gente arrasando ui! por ai só porque suas respectivas matriarcas deram apoio quando não deviam.

Quando eu crescer vou ser menos entediado.

Acabei de ler o 1984 sinto a necessidade de parecer inteligente e fazer alguma referência rebuscada, coisa do tipo: “Winston sempre amou o Grande Irmão”.

PÁ PÁ RÁ – PÁ PÁ RÁ – PÁ PÁ RÁ PÁ PÁ

Aleatório:
Acepções
■ adjetivo
1 que depende das circunstâncias, do acaso; casual, fortuito, contingente
1.1 que depende de ocorrências imprevisíveis quanto a vantagens ou prejuízos
2 Rubrica: física.
referente a fenômenos físicos para os quais as variáveis tomam valores segundo uma determinada lei de probabilidade (p.ex., o movimento browniano)
Etimologia
lat. aleatorìus,a,um ‘relativo a jogo de azar ou aos jogadores’, der. de aleátor,óris ‘jogador’, e este de alèa,ae ‘dado de jogar; jogo de dados; qualquer jogo de azar’; ver aleator(i)-

Já sei! Vou virar poeta!

E depois revolucionário, começo amanhã. Quero ver a cara da atendente do Mc Donalds quando eu pedir um Big Mac SEM picles! O sistema que me aguarde.

Eu tenho um papagaio. Ele gosta de comer pedaços de frango.

Três notas Silvio, eu mato essa em três notas, vai lá Maestro Zezinho, manda ae.

Tinha um rato morto no telhado de casa hoje. Acho que ele também gostava de pedaços de frango. Mas não tinha asas!

Créu! (Velocidade 6)

E isso crianças, é uma música triste:

E como todos já suspeitavam: É UMA CILADA BINO!!

Anúncios

O último Vermelho

15 de julho de 2007 Deixe um comentário

A tentativa de assassinato do Presidente da República por uma jovem estudante de História chocou o país. As manchetes dos principais jornais destacavam a explicação da moça sobre seus motivos: A Bolha de Bão Baulo dizia: QUE MUNDO ENTENDE? Já o O Blobo era mais agressivo: DE QUE MUNDO VEIO ESSA AMEAÇA A SEGURANÇA DO PAÍS? O Bornal da Barde dizia: PARA ONDE VAI O MUNDO? Até o gigante norte americano Bew Bork Bimes, na seção Ass of the World deu atenção à notícia.

Tudo isso por que a jovem tentou “matar” o presidente num dos clássicos, mas cada vez mais raros comícios do líder da nação. Dessa vez seria para anunciar o novo programa do Governo Federal, o apelidado Bolsa Desgraça, o polêmico programa que dava bônus para as famílias que sofriam alguma grande perda causada por fatores como a miséria. Por cada “tragédia” as famílias ganham “pontos” no cartão magnético. Morte de idoso vale 5 pontos, adulto por doença, excesso de trabalho (ou a falta de), ou cirrose varia de 10 a 25 pontos, já crianças acima de três anos (crianças acima de onze anos são consideradas adultas e aptas ao trabalho) em qualquer circunstância valem 30 pontos, e finalmente crianças de até três anos falecidas por desnutrição valem 200 pontos. Os pontos podem ser trocados por roupas, mantimentos e em alguns postos por água, a cotação do Dólar é levada em conta para calcular o valor dos pontos, que normalmente gira em torno de R$ 0,03 cada ponto.

O ataque se deu quando o presidente desceu para junto do povo e pegou uma criança no colo dizendo: “Esse menininha linda vale 200 pontos!” A estudante, que estava armada com uma faca de rocambole, tentou acertar a jugular do Presidente, mas não obteve êxito, como relatam os presentes o atacado conseguiu se desvencilhar na hora exata, perdendo apenas o outro dedo mindinho. A menina caiu no chão, sua mãe começou a gritar e a puxar o terno de corte italiano do Presidente: “Quero meus 200 pontos, mataram a minha filha!!”, gritava ela, o presidente Buba tentando se soltar deu dois socos na boca da mulher, resmungando: “Sua filha nem se arranhou sua pobre”, uma dentada surpresa arrancou seu anular, agora lhe faltam três dedos.

Após ser detida a jovem tentou se explicar, quando foi questionada sobre seus motivos apenas respondeu: “O que me consola é que o Mundo vai me entender”, e não disse mais nada. Essa declaração causou furor no imprensa, porque de certa forma ninguém entendia os motivos dela, afinal o presidente estava fazendo um ótimo trabalho, o número de flagelados da seca vinha diminuindo drasticamente, as famílias pobres estavam ganhando o suficiente para se sustentar com o novo programa, o sistema de pontos funcionava bem…

***

− Boa noite! − Disse o engomadinho da TV.

− Boa noite o caralho − Respondeu o barbudo sentando numa poltrona velha, sua tatuagem do Che estava enrugada, ao fundo se destacava o volume do Manifesto do Partido Comunista de Marx, que virou pé de geladeira.

Raimundo desligou a TV, e suspirando disse:

− Eu te entendo Marta.

Coçando a bunda lembrou que amanhã tinha que dar aula pra nova turma, desconfiou que dessa vez ia mudar o discurso…